CIGRE Brasil
Associados
Comitês de Estudos
Eventos

Documentos
Revista Eletroevolução
Newsletters
Notícias
Links
Vídeo Institucional
Fale Conosco
Mapa do Site


Como se logar?

24 de fevereiro de 2020
Entrevista com Nelson Benício

Nelson Benício Marques Araújo, representando a anfitriã CEMIG, foi o coordenador geral do XXV SNPTEE, realizado na capital mineira, em novembro de 2019. 

Em entrevista ao CIGRE-Brasil, o Engenheiro Mecânico da Companhia Energética de Minas Gerais há 32 anos, que, atualmente, ocupa o cargo de Superintendente de Expansão e Operação de Geração e Transmissão, nos contou um pouco da sua experiência em orientar um dos mais relevantes eventos do setor, ao lado de Eliana Campos de Figueiredo Vieira.

Eliana é Engenheira Civil e trabalhou na CEMIG por 32 anos. Sua última atuação na empresa foi na área de assistência da Superintendência de Planejamento e Operação de Geração e Transmissão. Atualmente é sócia na empresa Contemporânea Engenharia e Consultoria Ltda.

Sua atuação à frente da coordenação executiva fez da presença feminina um marco, pela 2ª vez, na história do seminário nacional.

- Como foi organizar e orientar o maior evento do Setor Elétrico da América do Sul? Quais foram os principais desafios?

Foi uma experiência desafiadora e enriquecedora.

Desafiadora porque Belo Horizonte não dispõe de um centro de convenções para suportar  o porte do seminário. Portanto, tivemos que construir esse centro em apenas 3 dias com uma logística muito bem planejada para que profissionais de várias áreas pudessem trabalhar em harmonia e em tempo hábil. Foram quase dois anos de intensa preparação junto a uma equipe de elevado nível e bastante motivada, em conjunto com a experiência de profissionais do CIGRE que tornou o trabalho mais fácil .

Enriquecedora porque devido à complexidade do seminário tivemos muitos  contatos com profissionais de diversas áreas, com experiências distintas, o que  elevou nosso conhecimento do ponto de vista profissional e aprimorou nossas habilidades em negociar para atingirmos um resultado positivo para todos.

Também tivemos o desafio de conseguir patrocinadores num momento de crise pelo qual o país estava passando e foi uma grande surpresa termos conseguido tantos parceiros com uma vontade enorme de fazer história no SNPTEE.

Foi, sem dúvida, um privilégio e muito prazeroso organizar este seminário que sem dúvida é o mais completo e complexo do setor elétrico.

- Quais os pontos relevantes que você destacaria, deste SNPTEE, para a evolução do Setor Elétrico Brasileiro?

Tivemos pontos relevantes e especiais nesse evento. Destacamos primeiramente o I Encontro de CEOs no Setor Elétrico. Este encontro teve como objetivo estreitar o relacionamento dos CEOs com o CIGRE-Brasil e discutir os principais desafios do setor, bem como promover a produção, o compartilhamento, a disseminação e a preservação de conhecimentos técnico-científicos, gerenciais e educacionais aplicados ao setor elétrico brasileiro.

Também tivemos pela primeira vez o Next Generation Network Showcase (NGNS), uma iniciativa do Comitê Internacional de Produção e Transmissão de Energia Elétrica (CIGRE) que proporcionou aos jovens  profissionais da área de energia elétrica apresentarem seus trabalhos a um público especializado e desfrutarem da possibilidade de construir networking desde o início da carreira.

Soma-se a isso a participação efetiva dos diversos stakeholders, principalmente o poder concedente, com a participação dos executivos e profissionais do  Ministério de Minas e Energia (MME) e da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Esta aproximação é muito importante para a busca de soluções que contribuam  para o crescimento sustentável das empresas.

Também destacamos o II Fórum de Mulheres e o II Fórum de Jovens, dando continuidade a um evento iniciado no XXIV SNPTEE, ocorrido em Curitiba. O primeiro busca a valorização  de intensificar a integração entre homens e mulheres, melhorando os  resultados das equipes de estudo e de trabalho do setor elétrico. O segundo promoveu o debate sobre a inserção de novos profissionais diante das transformações no setor elétrico.

“O fórum visa reconhecer a importante contribuição de mulheres com relevância nesse segmento, intensificando a integração entre os gêneros, compartilhando experiências, com consequente melhoria do clima organizacional e dos resultados empresariais”, afirma Eliana.

- O que pode ser destacado para Furnas Centrais Elétricas, futura coordenadora do XXVI SNPTEE no Rio de Janeiro?

 

O SNPTEE, a cada edição torna-se mais  complexo, agregando vários  eventos paralelos. Furnas tem a missão de manter o mesmo padrão  dos seminários anteriores e também de dar continuidade a esses novos eventos e quem sabe até superá-los. A procura para a participação no seminário tem sido muito grande, portanto acreditamos que a próxima entidade coordenadora não terá muita dificuldade em conseguir  patrocinadores, bem como a participação de profissionais  para apresentação de trabalhos.

 

 



CIGRE-Brasil
17/1/2020